Entenda sobre os seus impostos a recuperar

Apesar de sua nomeação, os gestores exercem um papel muito além da gestão da empresa. Sendo assim, é necessário que ele tenha conhecimento sobre as regras contábeis e tributárias, de tal forma que ele tenha totais condições de conhecer melhor o seu negócio, baseando suas decisões em informações técnicas. E isso certamente engloba os impostos a recuperar, tema principal de nosso artigo de hoje.

Logo, nada melhor para iniciar o nosso artigo que uma explicação completa sobre os impostos a recuperar, seu conceito e como a recuperação pode ser feita. Além disso, em nosso texto também falaremos sobre os impostos a recolher, diferenciando os tributos dessa natureza com os tributos a recuperar. Portanto, acompanhe atentamente até o final para ficar por dentro do assunto.

O que são os impostos a recuperar?

Podemos definir impostos a recuperar como todos aqueles subtraídos dos impostos que você tem a recolher. O seu nome se dá pois, no ato da venda de uma mercadoria, do valor total a recolher, existirá um saldo de compras a recuperar, que precisará ser subtraído para o cálculo final do imposto a ser pago.

Para exemplificar, vamos supor que uma empresa tenha que pagar R$ 2.000,00 de ICMS em uma venda. Todavia, ela possui um valor de R$ 500,00 de saldo a recuperar. Sendo assim, o valor total do ICMS a ser pago é de R$ 1500,00 e não de R$ 2.000,00.

Entretanto, a empresa só costuma identificar a conta de impostos a recuperar durante o confronto de débito e crédito dos impostos para elaboração do balanço patrimonial. Também vale destacar que a mesma só vem a existir nos casos em que o valor de impostos a recuperar são maiores do que os impostos a recolher. Logo, a situação só é possível quando a empresa tiver realizado mais compras com direito a crédito do que vendas com débitos durante o período.

E o que são os impostos a recolher?

Os impostos a recolher já foram citados em diversas ocasiões em nosso blog. São os tributos “comuns”, aqueles pagos pelos contribuintes para o governo. Geralmente eles remetem a venda de mercadorias, prestação de serviços, entre outras questões. Entre os principais impostos a recolher, podemos destacar:

  1. Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS);
  2. Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA);
  3. Imposto sobre Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU);
  4. Imposto de Renda (IR);
  5. Imposto sobre Operações Financeiras (IOF);
  6. Imposto Territorial Rural (ITR);
  7. Impostos de Transmissão de Bens Imóveis (ITBI);
  8. Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS).

Como posso diferenciar esses dois tipos de impostos a recuperar?

Para que haja essa diferenciação, inicialmente é preciso focarmos em uma questão principal: enquanto os impostos a recolher se configuram como uma obrigação, os impostos a recuperar são um direito do contribuinte.

É preciso compreender que os tributos a recolher são obrigações da empresa com o governo relativo aos impostos devidos, e são classificados como passivos. Por outro lado, os impostos a recuperar são tributos recolhidos anteriormente e que podem ser recuperados. Isso ocorre por meio da compensação de tributos, que devem ser sempre da mesma natureza, salvo disposição legal contrária, mas precisam ser administrados pelo mesmo ente.

Podemos concluir que, de certa maneira, um compensa o outro. Porém, é essencial saber que imposto a recolher sempre vai existir, enquanto o imposto a recuperar existe somente quando o negócio em questão fecha o seu balanço patrimonial com um valor maior de créditos do que de débitos.

Conte sempre com auxílio de profissionais especializados

Como estamos falando do pagamento e da recuperação tributária, é inevitável pensarmos também no planejamento tributário. E muitos empresários tentam efetuar esse planejamento por conta própria. Entretanto, é necessário saber que qualquer erro durante estes processos pode ser irreversível e extremamente prejudicial para o negócio.

Portanto é muito importante contar com o auxílio de uma equipe especializada no assunto, como os profissionais do IBGEM. Eles podem ter participação efetiva nos planejamentos, contribuindo com a elaboração de relatórios que sirvam como amparo na tomada de decisão e permitam ao empresário conhecer tecnicamente o seu negócio.

Quais são as vantagens de um planejamento tributário bem feito para o seu negócio?

Entre as principais vantagens do planejamento tributário podemos citar?

Diminuição na incidência de multas e penalidades

Para iniciar é necessário destacar a diminuição na incidência de multas e penalidades pois, para muitos, essa talvez seja a principal vantagem proporcionada pelo planejamento tributário quando realizado por profissionais. Trata-se de uma técnica muito importante pois possibilita que todos os procedimentos efetuados dentro da empresa sejam feitos dentro da legalidade.

Isso porque a prática garante que você conheça detalhadamente toda a vida tributária da sua empresa, incluindo todas as movimentações financeiras, acertos e até mesmo erros. Sendo assim, caso exista alguma irregularidade, é possível realizar uma série de ações preventivas, evitando assim qualquer possibilidade de autuação ou multa por parte do Fisco.

O planejamento promove uma redução notável no custo total de seu negócio

Seguindo nessa linha de economia ou inibição de gastos desnecessários, podemos dizer que o planejamento promove uma redução notável no custo total de seu negócio. Isso porque a técnica tributária é um importante instrumento de otimização para qualquer gestão empresarial, e como vimos pode encontrar erros processuais e de gestão a qualquer momento.

Com isso fica mais fácil corrigir todos os processos e evitar a perda de dinheiro de forma desnecessária. Para isso, é fundamental uma análise completa de seu histórico tributário e financeiro, bem como de suas despesas.

Planejamento Tributário possibilita retardar o pagamento de tributos sem incidência de multa

Existem ações que permitem, a partir de um planejamento tributário bem realizado, postergar o pagamento dos tributos sem a incidência de multas. Essa tática pode ser bastante útil para quando sua empresa está com pouco capital de giro e precisa de alguns dias a mais para ter fôlego no caixa e conseguir efetuar os pagamentos.

Agora você sabe a diferença entre impostos a recuperar e impostos a recolher e também a importância do planejamento tributário para o seu negócio. Lembre-se que se você tiver alguma dúvida é possível deixar um comentário ou entrar diretamente em contato com a nossa equipe de profissionais.

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *